25 de outubro de 2017

Pessoal | A fluidez de ser feliz


Às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido. Fernando Pessoa
Sou grata por já ter tido a oportunidade de viver momentos imensamente felizes ao longo da minha vida. Já chorei de felicidade depois de alcançar uma vitória, de reencontrar alguém que me é próximo ou simplesmente por recordar um instante que guarde com carinho. Ao longo de vinte e cinco anos já fui muito feliz e tenho noção disso. Mas só agora descobri o que é viver a fluidez de ser feliz.
Porque, ao olhar ara trás percebo que, no meio de todos os momentos felizes que vivi havia quase sempre um "mas". Por uma ou outra razão, havia algo que travava a dita fluidez de ser feliz... a sensação de felicidade plena sem qualquer peso sobre os ombros. A felicidade de olhar em redor e perceber que tudo está perfeito. A felicidade tão calma e serena de ser feliz sem qualquer constrangimento, dor ou preocupação. O sentimento de voar por entre as nuvens por estarmos tão felizes. A certeza de que o simples facto de olhar para o céu e vermos o seu azul é motivo para ser feliz. 
Hoje sei que encontrei isso. Hoje sei que aprendi a ser feliz de uma forma completa. Hoje sei o quão boa é a sensação de ser feliz de uma forma tão fluída, natural, descomplicada e única. Hoje olho para o que me rodeio e não sinto que haja qualquer peça desenquadrada. Sou imensamente feliz. Tão feliz que me arrisco a dizer que o sou como já não o era há anos. Ou, como talvez nunca o tenha sido afinal... porque, aqui e agora, não há qualquer preocupação, receio ou constrangimento. Aqui tudo é natural e genuíno. Sou feliz com aqueles que me rodeiam e no espaço que, dia após dia, se torna cada vez mais meu. E, no fundo, isso é ter o prazer de viver a fluidez de ser feliz. Olhar e perceber que na nossa actual realidade, tudo está envolvido em magia, em significado e em felicidade.