28 de agosto de 2017

EVS | Como fazer a mala?



| Imagem retirada da Internet | 
Começo a questionar-me se uma das tarefas mais difíceis desta aventura do EVS não é, de facto, fazer uma mala para um ano! Tenciono regressar a casa na época de Natal mas, a fazê-lo, será num dos voos low-cost e, por isso, aquilo que trarei e levarei será muito reduzido. Por isso, resta-me agora superar o desafio de levar as minhas coisas para um ano! A verdade é que é, literalmente, mudar a vida para outro local e, para mim, que sou tão agarrada às coisas, acredito que vá passar umas quantas horas desta semana a meter e tirar coisas da mala! Mas, pensei sobre o assunto e decidi seguir cinco dicas que acredito que me venham ajudar nesta difícil tarefa 😜
// 1 // Seleccionar uma, duas ou três vezes o que levar
Quantas e quantas vezes não nos apercebemos que há sempre uma ou outra peça de roupa que, afinal, não é assim tão necessária? Fazemos uma primeira selecção do que achamos ser "imprescindível" e quando voltamos a essas mesmas peças, há sempre umas coisas que podem ficar. O truque é dentro da própria selecção já feita, voltar a escolher. Certamente que haverá algo que fica sem qualquer peso na consciência.

// 2 // Comprar sacos que reduzem o volume da roupa
Estes sacos são milagrosos! Já comprei uns três, de tamanhos diferentes e vou levá-los comigo. Até porque, como levo alguns casacos de Inverno e são peças com muito volume, com estes sacos aquilo fica mesmo exprimido e passamos a ter muito mais espaço na mala. São os melhores aliados destas viagens longas, além de que são económicos e super simples de utilizar. Um bem-haja a quem se lembrou desta maravilha 🙌

// 3 // Limitar-me a "amostras" de produtos de higiene
O importante é levar um bocadinho de tudo. Há produtos que levarei por inteiro, como alguns cremes, mas no que diz respeito a pasta de dentes, champô, gel de duche, entre outros, vou optar por levar comigo aqueles frascos pequenos de viagem, até porque, mais dia, menos dia, terei que comprar esse tipo de coisas por lá. Por isso, para quê levar todos esses produtos daqui?

// 4 // Pesquisar sobre a meteorologia do local para onde vamos
Isto é algo que, por vezes, nos esquecemos de fazer. E até me podem dizer que, hoje em dia, as temperaturas andam todas trocadas. E isso é verdade! Mas, quando sabemos qual é o destino, já há uma ideia metrológica feita. Se forem para Londres é mais do que provável que apanhem chuva, se forem para a Turquia, há grandes hipóteses de apanharem muito calor. Ou seja, no meu caso, já sei que terei umas temperaturas amenas para os primeiros dias, sem muito frio, mas também sem ter o calor que se faz sentir em Portugal. O ideal é equilibrar o que levamos com as temperaturas que, normalmente, se fazem sentir por lá e dependendo de como se comportam as estações do ano.

// 5 // (Tentar) ser o mais minimalista possível
Este é, para mim, o ponto mais difícil. Sei bem que, se há coisa que não sou, é minimalista. Acho sempre que o que levo comigo pode ser necessário e, por isso, custa-me limitar o que me acompanha. Mas, também é algo que quero melhorar com esta experiência e, por isso, está na hora de tentar fazer uma mala com aquilo que é mesmo essencial e não com aquilo que eu acho que o seja! Afinal, a viver um ano por lá é mais do que certo que acabarei por fazer umas compras daquilo que me poderá vir a ser necessário.

Há mais dicas por aí? Alguém que já tenha passado por esta experiência? Há conselhos que me possam dar para quem tem que fazer uma mala para um ano de vida?