20 de fevereiro de 2017

TRABALHO | Semanas difíceis

[Imagem retirada da Internet]
Tenho tido semanas difíceis. De Segunda a Sexta, tem sido imensos os afazeres que tenho desenvolvido no trabalho. Se me perguntarem se ainda sou somente secretária, respondo-vos que acho que não! Acho que passei a ser contabilista, informática, revisora, designer... Por entre tantas coisas que tenho feito, trabalho não me falta e, desde o início deste ano que me vi envolvida em mais um dos projectos do meu patrão.
Decidiu escrever um livro e a mim caíram-me as tarefas de revisão do conteúdo e formatação do livro. Não nego que foi algo desafiante e novo. Até porque estamos a falar de algo que está, literalmente, relacionado com a minha área de estudos... mas, além de todo este trabalho que teve que ser feito, houve e-mails a serem respondidos, notas de honorários a serem elaboradas, processos que precisaram de ter resposta, telefonemas a clientes a serem feitos, ou seja, tudo teria pernas para correr bem, se soubesse que estaria ali em completo para fazer aquilo, sem pressões e sem ter que me desdobrar para tudo fazer. E, a verdade é que, não sou "paga" para fazer tudo isto. E, pelos vistos, nem sou digna de receber um agradecimento que esperava e contava que fosse feito. 
Foi isso que, na semana passada, me fez perceber que vivemos, de facto, num país onde o envolvimento, a dedicação e a iniciativa não são vistos como algo que mereça um agradecimento. Na verdade, tenho a sensação de que, algumas pessoas, acham que tudo deve ser feito como uma obrigação, quando não o é! Há pessoas que, simplesmente fazem aquilo que lhes é pedido. Que não dão ideias, que não trocam opiniões, que não querem fazer sempre mais e melhor. Mas, há aquelas que tratam das coisas como se fossem delas, que perdem horas em busca da perfeição, que opinam para que fique ainda melhor e que partilham ideias que poderiam guardar para si e que, posteriormente, são aproveitadas. Mas, continuamos aqui a falar de uma simples obrigação como funcionária não é? 
Estou ansiosa que Domingo chegue para que, esta semana já tenha passado, para que o livro já esteja apresentado, para que eu retire o stress que fui amontoando e para que, finalmente, possa aproveitar uns quatro dias de descanso que é bem merecido, mesmo que, para alguns, não seja visto da mesma forma. 
Por isso, que passe rápido esta semana de cão e que as próximas tenham calma e sossego. Que eu possa voltar a fazer apenas aquilo que me compete e que não voltem mais a esperar que eu ofereça o que tenho e o que não tenho, porque isso não voltará a acontecer. Não depois de ter levado o balde de água fria que levei! E, atenção que, tenho plena noção de que há imensas pessoas que davam tudo para simplesmente ter um emprego... mas, se há coisas que eu sei, é que sou nova demais para deixar que façam comigo o que querem e para deixar que, simplesmente, "abusem de mim". Há muito mais na vida do que ter um trabalho. E a minha sanidade mental e física são muito mais importantes do que qualquer dinheiro. Por isso é que o sermos felizes no trabalho é tão importante! Porque é meio-caminho andado para sermos felizes, por completo, na nossa vida. E, neste momento, está-me a faltar essa grande parte de felicidade, sou sincera.