22 de dezembro de 2016

PESSOAL | Balanço dos vinte e quatro

Hoje despeço-me dos meus vinte e quatro anos. Daqui a umas horas, tenho mais um ano em cima e é um dos ímpares, tal como eu mais gosto. No ano passado escrevi isto sobre o ano que havia passado. E como sou pessoa que gosta de balanços, hoje há tantas outras coisas que quero deixar registadas. Lembro-me perfeitamente de partilhar por aqui que não gostava dos vinte e quatro. Por si só, não sou fã de números pares e este fazia-me alguma confusão, admito!  
Mas, tal como me disseram à uns tempos, talvez tenha sido o facto de ser o número pelo qual eu "não daria nada" que o tenha transformado num dos melhores! Arrisco-me a dizer que, no meio das memórias que tenho, de anos anteriores, este foi o melhor ano da minha vida
Foram tantos os momentos bons que vivi com vinte e quatro anos! Foram tantas as boas memórias que criei, as relações que estabeleci, as experiências que tive a oportunidade de ter. 
Com vinte e quatro anos conheci aquela que passou a ser o Ser Humano que mais amo no mundo! Ter aquele sorriso à minha espera diariamente é dos melhores presentes que eu podia pedir. A minha sobrinha trouxe, inevitavelmente, um novo sentido a quase tudo. A vida descomplicou-se e a alegria passou a ser possível com um único sorriso. Um dia mau transforma-se num dia bom e amar passou a bastar ter só a mão dela bem agarrada à minha. 
Com vinte e quatro anos fiz a viagem da minha vida! Aquela viagem que anseava à anos e anos. Rumei a Paris com a melhor companhia que podia ter pedido e durante duas semanas fui plenamente feliz! Perdemo-nos entre cidades da Suiça e entre aquela que é uma das minhas casas, partilhamos aventuras, criamos memórias e fortalecemos ainda mais uma amizade! 
Com vinte e quatro anos deixei de lado os desamores e aprendi - e ainda aprendo - que o amor virá quando tiver que vir! Terei por aí a pessoa feita à minha medida que também ela ainda me procura. Aprendi a viver sem receios, sem sentimentos mal arrumados, sem raivas ainda presentes. Deixei-me levar e fui feliz em instantes que me fizeram o maior bem do mundo.  
Com vinte e quatro anos vi o meu Portugal ser Campeão Europeu! Vi futebol como nunca. Ouvi relatos enquanto trabalhava trocando mensagens com a cúmplice que fazia o mesmo. E, naquela noite de 10 de Julho, tive o prazer de saber o que é chorar de alegria por saber que um povo inteiro estava feliz! Fui uma das felizardas que viu a taça ser erguida por uma equipa de futebol que nunca desistiu e que representou os 11 milhões de portugueses! 
Com vinte e quatro anos aceitei o desporto na minha vida! Passei a adoptar um estilo de vida mais saudável e comecei a praticar desporto. Encontrei quem me incentive, quem não me deixe desistir, quem vibra com as minhas vitórias e quem me levanta do chão... e isso é uma grande parte do sucesso de qualquer pessoa que decida iniciar-se no desporto! 
Com vinte e quatro anos desejei e consegui passar mais tempo com a família. Aproveitei ao máximo os dias em passeio com os meus pais e dei-lhes o prazer de verem com os seus olhos locais que ainda não tinha conhecido.  
Com vinte e quatro anos aproximei-me de pessoas que me fazem bem. De pessoas que me proporcionam jantares repletos de boa disposição. De cafés em que há sempre novidades para contar. De festas em que o efeito surpresa é sempre uma alegria. Pessoas que, de uma maneira, ou de outra, marcaram este ano. Porque, afinal, não precisamos de muitos amigos, mas sim de bons amigos! 
Com vinte e quatro anos sei o que quero que seja o meu futuro próximo. Sei o que quero que os vinte e cinco me tragam e caminho, dia após dia, para esse fim. 
Com vinte e quatro anos sou uma pessoa muito mais resolvida, muito mais tranquila, muito mais em paz do que aquela que escreveu à um ano atrás! Estou muito feliz e é impossível transparecer tudo isso neste simples registo. Estou pronta para receber os vinte e cinco junto daqueles que mais me são queridos, especiais e importantes! Junto daqueles que gostam de mim e que sei, com toda a certeza, que nunca me deixarão. Quem não pode ser feliz tendo pilares tão sólidos? Que os vinte e cinco me tragam aquilo que tiverem que trazer e que eu não esteja à espera disso para que tudo seja ainda melhor e mais importante!