19 de outubro de 2016

LIVROS | Furiosamente Feliz

2016 | Jenny Lawson | [Escala Pessoal: 3,5/10]

Sinopse (aqui)
Furiosamente Feliz é sobre agarrar os momentos em que as coisas estão bem e transformá-los em momentos fantásticos, porque esses instantes são aqueles que nos fazem ser quem somos e nos levam para a batalha que travamos connosco sempre que o nosso cérebro declara guerra à nossa existência. Essa é a diferença entre «sobreviver à vida», e «viver a vida». Essa é a diferença entre estar «são» e estar «furiosamente feliz».
Opinião [*]
Quando vi este livro na Marcador Editora o título chamou-me à atenção e procurei algumas opiniões. Todas elas eram bastante positivas, afirmando que era um livro positivo, bem-disposto e que nos iria levar a colocar algumas questões sobre nós próprios. Pois bem, acabei por escolhê-lo e o que vos posso dizer é que, a muito custo, acabei de lê-lo! 
Digo muito custo porque não foi um livro fácil de devorar. Começou por me cativar mas, a determinado momento, desliguei completamente. Pelo meio ainda devorei outros dois livros até que ganhei forças para voltar a pegar neste. Achei simplesmente que precisava de ler algo que me trouxesse de novo à leitura para voltar a agarrar este com unhas e dentes, mas enganei-me. 
Vamos lá ver uma coisa, não digo que o livro seja mau, porque não o é! O livro é escrito por alguém que é um tanto ou quanto doida e que nos leva à descoberta da sua loucura. É um livro que nos leva para o de lá do que é correctamente correto e mostra-nos que o correto é sermos felizes, mesmo que, no meio de toda essa felicidade exista loucura q.b. É essa a maior aprendizagem do livro! Rir é o melhor remédio e não devemos deixar de viver por acharmos que "não pertencemos a este mundo". Ser diferente não é sinónimo de ser infeliz e a verdade é que está nas nossas mãos o poder de transformar a diferença em particularidades próprias que nos valorizem ainda mais. É isso que a autora faz e é isso que ela nos ensina. 
Por isso, o livro é um poço de maluquices das quais todos nós deveríamos tirar um pouco. É um livro que escreve muitas das coisas que já nos passaram pela cabeça mas que não verbalizamos por termos receios que nos achem doidos. É um livro que nos leva com a mesma rapidez à reflexão sobre nós e os outros, como nos leva a sorrir. Estão a ver como o livro é bom? 
Mas, infelizmente, não é o género de livro que me cative e esse foi o motivo pelo qual me custou tanto lê-lo. Não me prendia por ser baseado em inúmeras histórias e vivências, por ter imensas pessoas envolvidas, por ter animais mortos à mistura e gatos que são descritos como pessoas. Não me conquistou mas sei que conquistou muita gente e por isso é que é um livro tão bem-visto na área da auto-ajuda. Acredito, seriamente, de que poderá ser um escape numa daquelas fazes mais deprimentes na vida das pessoas por levar a que as mesmas se revejam nos sintomas e problemas da autora. 
É um livro que, tal como o título diz, o essencial é ser Furiosamente Feliz, deixando de lado todos os receios, dúvidas e medos, levando a nossa felicidade ao auge, aceitando-nos como somos. Por aí já alguém leu? Gostava de conhecer mais opiniões. Partilhem !
[* Este livro foi-me oferecido pela Marcador Editora, sendo que toda a minha opinião é sincera e honesta.]