25 de junho de 2016

LIVROS | A Rapariga no Comboio














2015 | Paula Hawkins | [Escala pessoal: 8/10]

Sinopse (aqui)

O êxito de vendas mais rápido de sempre. 
O livro que vai mudar para sempre o modo como vemos a vida dos outros. 
Todos os dias, Rachel apanha o comboio... No caminho para o trabalho, ela observa sempre as mesmas casas durante a sua viagem. Numa das casas ela observa sempre o mesmo casal, ao qual ela atribui nomes e vidas imaginárias. Aos olhos de Rachel, o casal tem uma vida perfeita, quase igual à que ela perdeu recentemente. 
Até que um dia... 
Rachel assiste a algo errado com o casal... É uma imagem rápida, mas suficiente para a deixar perturbada. 
Não querendo guardar segredo do que viu, Rachel fala com a polícia. A partir daqui, ela torna-se parte integrante de uma sucessão vertiginosa de acontecimentos, afectando as vidas de todos os envolvidos. 
Opinião 
Depois de todo o "barulho" que este livro teve à sua volta, tendo estado durante umas valentes semanas no Top de vendas e sendo um dos livros que mais se vendeu no nosso país, era inevitável que o lesse. Mais uma vez, não o li no início de toda esta euforia, mas quando a estante ficou sem opções, lancei-me à descoberta! 
No geral, foi um livro de que gostei! Conseguiu prender-me à história e dei muitas vezes por mim a imaginar todos os cenários que nos são descritos. É, efectivamente, um thriller que me agarrou até ao momento em que percebi o que aconteceu. 
No fundo, tudo começa por ser um olhar de uma simples mulher que, depois de sentir que a sua vida já não faz sentido, se concentra na vida do casal que vê todos os dias, nas suas viagens de comboio. Começa por imaginar algo perfeito. O casal perfeito, as vidas perfeitas, o amor perfeito... na realidade, imagina tudo aquilo que ela sempre desejou e que perdeu, depois de um casamento falhado. Até que, o inimaginável acontece e é cometido um crime. Rachel, a mulher do comboio acaba por se envolver fisicamente e emocionalmente na tentativa de descobrir o que, de facto, aconteceu. Aí, descobre aquilo que preferia nunca ter descoberto e percebe, no final, que o seu destino talvez a tenha salvo, finalmente. 
É uma história contada segundo três pontos de vistas: o de Rachel, o de Anna e do Megan. E isso proporciona ao leitor várias opiniões que, consequentemente, nos fazem criar a nossa própria opinião! E foi isso que fez com que me surpreendesse! Foi isso que me fez recapitular todos os passos deste crime para entender o como e o porquê do mesmo ter acontecido! 
Admito que houve momentos em que acreditei piamente em certas coisas, chegando mesmo a achar que esse seria o óbvio, até que, afinal, me surpreendo e percebo que estava mesmo errada! E quando lemos um livro que nos prende até à ultima linha, isso é tão bom... se ainda não leram, aconselho-vos, porque esta viagem entre a realidade e a vida imaginária que Rachel teima em criar é fantástica! Agora resta-nos esperar pelo filme que estou curiosa para ver, na esperança de que fique fiel ao livro! Já leram? O que acharam?