16 de fevereiro de 2016

FILMES | Hotel Transylvânia 2






Trailer [2015 | IMDB: 6,8/10] 
Sinopse (aqui
Tudo parece estar a mudar para melhor no Hotel Transilvania… Drac finalmente desistiu da sua rigida politica de "só para monstros" e o hotel está agora aberto a hóspedes humanos. Mas, na privacidade do seu caixão, Drac está preocupado com Dennis, o seu adorável neto, meio humano, meio vampiro que não mostra quaisquer sinais de ser de facto um verdadeiro vampiro. Assim, enquanto Mavis está ocupada a visitar os seus sogros humanos juntamente com Johnny – e prestes a ter o seu próprio choque cultural – o vovô vampiro, Drac, junta os seus amigos Frank, Murray, Wayne e Griffin para levar Dennis a um campo de treinos para monstros. Mal sabem eles que Vlad, o muito velho e muito, muito velha guarda pai de Drac pretende fazer uma visita surpresa ao hotel. E quando Vlad descobre que o seu bisneto não é um vampiro puro e que os humanos são agora bem vindos ao Hotel - as coisas vão mesmo ficar tenebrosas! 
Opinião 
Vi o primeiro Hotel Transylvania na diagonal, sou sincera. Deve ter sido numa daquelas tardes em que deu na TV e eu fui vendo o que se passava. Achei-o engraçado e lembro-me de ter detectado que a mensagem principal do mesmo era que o amor é um sentimento que deve ser vivido por todos os seres vivos, independentemente, de serem humanos ou vampiros obviamente que, aqui estamos apenas a falar do filme :D 
Por isso, aquando da festa pijama a que fui no início deste ano surgiu a ideia de vermos um filme, a Patrícia decidiu-se por este. O engraçado é que no meio de quatro belas, eu fui a única que vi o filme por inteiro - mas pronto, são coisas! - e gostei! É giro ver a preocupação daquele avô em achar que o seu neto não é um vampiro e tentar de tudo para que ele se torne num. As missões que ele lhe propõem para que o seu verdadeiro lado vampiresco apareça são de rir, até porque os exemplos que ele leva consigo não são os melhores! 
É um filme infantil engraçado para ver com crianças e sem elas, até porque todos nós temos uma criança dentro de nós, não é?