14 de novembro de 2015

Paris e uma noite de terror



Paris é a minha cidade. Foi Paris que me viu nascer. É em Paris que existem pegadas da minha infância. Paris pertence-me, da mesma forma que eu lhe pertenço. Paris faz parte de mim e acompanhando o que marcou esta Sexta-feira, dia 13 de Novembro de 2015, a tristeza, a revolta e a preocupação invadem-me... Houve inocentes que morreram, pessoas que simplesmente saíram de casa para jantar, beber um café ou ver um concerto e jamais regressaram. Pessoas que poderiam perfeitamente ser cada um de nós. E, mesmo que, noutros países nos deparemos com situações idênticas, mortes injustas e terror noutras cidades, a verdade é que o facto de ser ali mesmo ao lado faz-nos ter o coração muito mais apertado. A mim faz... Qualquer um de nós podia estar ali e ter vivido tudo isto. Paris