26 de setembro de 2015

AMIGOS | O Casamento da amiga de infância

Daqui a uma semana estarei num casamento. No casamento da minha amiga de infância. Uouuu… o que isto significa! Antes de tudo, quer dizer que estou a ficar velha. A minha única amiga de infância já encontrou o seu príncipe e vai dar o nó. Eu nem acompanhada do meu príncipe vou xD Mas bem, vamos lá centrar as atenções neste casamento que bem merece!


Conheço a P. desde os meus três ou quatro anos. Foi aquela amizade que se criou no infantário. Eramos, literalmente, como unha e carne. Passávamos a semana juntas no infantário e ainda chateávamos a cabeça aos nossos pais para que nem no fim-de-semana nos separássemos. E isso o que dava? Fins-de-semana na casa uma da outra ahaha 
Não sei dizer bem a que brincávamos ou o que fazíamos (uma vez que tenho uma memória parecida com a da Dory do filme "À procura de Nemo"), mas éramos muito felizes! Lembro-me sim de tomarmos banho juntas, das bonecas de porcelana dela, da primeira casa dela onde tinha umas escadas super altas, da gata dela, de virmos para a Vila com a ideia de que éramos imensamente crescidas, dos aniversários uma da outra em que nunca nenhuma de nós falhava, das pinturas faciais, de irmos ao rio e de nunca nos aborrecermos.

No meio de tanta brincadeira, certamente que brincávamos aos casamentos em que cada uma de nós lá ia ao altar, envolvida num lençol branco que, naquela altura, era um lindo e maravilhoso vestido de noiva. Pois bem, no próximo Sábado ela vai tornar essa brincadeira real e eu vou lá estar! O que vai ser maravilhoso!

Apesar dos nossos caminhos se terem separado com o tempo, de já não partilharmos um terço do que partilhávamos quando éramos miúdas, de não falarmos todos os dias e de cada uma de nós ter seguido horizontes diferentes sabíamos que, no exacto momento em que ligássemos uma para a outra a chamada não iria ser recusada. A chamada iria ser atendida e estaríamos ali, para o que fosse preciso. A realidade é essa! E é a isso que se chama uma verdadeira amizade. Porque não precisa de ter pequenos momentos para que exista, porque no fundo, ela nunca morreu. É quase como se fosse alimentada das recordações de infância e isso deixa-nos o coração aconchegado por sabermos que, em qualquer altura, a outra estaria ali! Por isso, como podem calcular, será com grande honra e orgulho que lá estarei. No casamento daquela com quem passei tanto tempo, com quem brinquei a isto e que nunca deixou de fazer parte da minha vida, mesmo que mais distante. 

Vai em frente miúda! A partir daquele momento entrarás numa nova fase da tua vida e tenho a certeza de que serás sempre muito, muito feliz! Por isso, agora resta assistir a uma cerimónia que será, certamente, muito bonita e depois que venha a galhofa! As fotografias parvas, os brindes, a dança e tudo aquilo a que tens direito para que aquele dia seja mágico. Eu estarei lá para ti, tal como sei que um dia estarás para mim! Sê feliz