25 de julho de 2015

LIVROS | O Código da Vinci


2003 | Dan Brown | [Escala pessoal: 10/10]

Sinopse (aqui)
Robert Langdon, conceituado simbologista, está em Paris para fazer uma palestra quando recebe uma notícia inesperada: o velho curador do Louvre foi encontrado morto no museu, e um código indecifrável encontrado junto do cadáver. Na tentativa de decifrar o estranho código, Langdon e uma dotada criptologista francesa, Sophie Neveu, descobrem, estupefactos, uma série de pistas inscritas nas obras de Leonardo da Vinci, que o pintor engenhosamente disfarçou. Tudo se complica quando Langdon descobre uma surpreendente ligação: o falecido curador estava envolvido com o Priorado de Sião, uma sociedade secreta a que tinham pertencido Sir Isaac Newton, Botticelli, Victor Hugo e Da Vinci, entre outros. 
Opinião

Já não é a primeira vez que compro um livro apenas por achar que fica bem na minha estante (sim, eu sei que é estranho pensar assim, mas há livros que quero mesmo ter na minha colecção e este era um deles!) e se já da primeira vez que isso aconteceu, correu muito bem, desta vez correu ainda melhor. Mas, um dia destes escrevo-vos sobre essa paixão de comprar livros com a ideia inicial de não serem lidos.
Por agora, escrevo sobre este livro que é nada mais, nada menos do que o décimo primeiro livro mais vendido no mundo com mais de 80 milhões de cópias e que só agora me dediquei a ler. Se soubesse o que hoje sei, já tinha sido devorado há muito, acreditem! Simplesmente adorei! Foi dos melhores livros que li. Isto porque me agarrou completamente à história, me levou para todos os momentos e locais que são relatados. Imaginei-me a percorrer as ruas de Paris, a visitar o Museu do Louvre ou a Abadia de Westminster… este livro levou-me com ele em cada página e o difícil era parar de ler! 
Toda a mística que a história nos relata deixou-me, sem dúvida, a pensar naquilo que nos é ensinado e levou-me a questionar muita coisa. É um livro que nos faz pensar em temas que, muito provavelmente, não nos lembramos no nosso quotidiano. Teria Jesus sido pai? Poderia a Mulher ter tido um papel muito mais importante na Igreja se não fosse o desejo de o Homem ser sempre o centro de tudo? Existirão ainda descendentes de Jesus e Maria Madalena? Fiquei mesmo com imensas questões na cabeça e posso garantir-vos que quero ler mais sobre estes assuntos. 
Adorei toda a obra! Desde a escrita, à descrição dos acontecimentos até ao facto de os capítulos serem bastante curtos o que facilita a leitura e possibilita que nos obriguemos a parar entre um capítulo e outro (obrigar sim!). Agora quero voltar a ver o filme com verdadeiros “olhos de ver” porque até agora nunca lhe tinha prestado muita atenção. Vocês já leram? Gostaram?